Mutação Esquecida

O robô gigantesco enfiou sua mão no lixão e fechou-a cuidadosamente, levantando vários pedaços de sucata e derrubando muitos outros pelos cantos da palma gigantesca. Aproximou do seus olhos que emitiam uma cor laranja calorosa na imensidão noturna. Encolhido em meio aos pedaços de metal, ferro, bronze e muitos outros tipos de lataria, uma criatura esguia e diminuta, com membros muito finos, tentava se esconder. Era um garoto magricela e assustado.
Começou a chover. O som da água batendo no ferro e escoando pelas curvas e amassados do lugar o fizeram-no sentir mais frio que a água que ensopava-lhe as roupas e molhava seu cabelo. Sentia saudade de quando morava com a família e tinha o conforto de uma cama, onde podia deitar-se e dormir ao som da chuva lá fora. Lá fora, a chuva era apenas a natureza fazendo seu trabalho.
O scanner também alaranjado varreu a mão do gigante em um movimento de cima para baixo e de baixo para cima uma, duas, três vezes. Silenciou e apagou.
Em um movimento esmagador, o robô fechou o punho e compactou tudo o que carregava, sua palma embebeu-se de diesel, de óleo, de gasolina e água, o sangue foi a primeira coisa a sumir na mão do Sentinela.


Este conto foi inspirado na HQ X-Men Dias de Um Futuro Esquecido

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s