Explorando o Mundo de Leviatã (de Scott Westerfeld)

Antes de tudo, não, isso não é uma análise de livro ou nada do tipo. É apenas uma tentativa de explicar um pouco o universo dessa trilogia do Scott Westerfeld. Bom, sabendo disso, acho justo começar.


Ilustração por Keith Tompson;

Ilustração por Keith Tompson;
linha superior: “Quem irá nos proteger contra esse monstro?”
linha inferior: “A guerra é a solução – 1914”

A trilogia Leviatã, é uma narrativa de ficção sobre eventos que aconteceram durante a Primeira Guerra Mundial* (1914-1918), com alterações em vários eventos e uma estética de steampunk e biopunk. Na narrativa acompanhamos dois personagens (um representando cada estilo) que vem a se encontrar depois e se vêem no meio dos grandiosos eventos do primeiro ano da Grande Guerra. Além de cada um carregar a bandeira de uma das tendências, eles também são de países de lados opostos da Guerra, Alek é do Império Austro-Húngaro e Deryn da Inglaterra.

*Os eventos que levam à eclosão da Primeira Guerra são explicados por cima no livro (até porque a obra não tem como objetivo debater as ideias do evento), mas não se preocupe a explanação é simples e o assassinato do Arquiduque Austro-Húngaro, está lá, assim como a corrida imperialista que discorre durante o livro todo.

OS PERSONAGENS PRINCIPAIS
Aleksandar

Ilustração por Keith Tompson do Príncipe Alek

Príncipe Aleksandar de Hohenberg

O filho do Arquiduque do Império Austro-Húngaro, parte para a sua jornada acompanhado do Conde Volger (seu tutor), Klopp e Otto no meio da noite, depois de saber sobre o assassinato de seu pai. Alek, por não ser filho de duas pessoas com sangue real (sua mãe era plebeia antes de casar-se com Ferdinando), não tem direito ao trono, sendo assim seu tio deve tomar o lugar do seu pai, mas seu tutor foi instruído pelo próprio Arquiduque de algo que pode mudar a maré da guerra e evitar que o Império da Austro-Hungria se una às demais forças mekanistas.

Alek é um filho fictício do Arquiduque. Francisco Ferdinando (ou Franz Ferdinand, se preferir), teve três filhos, e Alek não era um deles, mas isso não vem ao caso, bem como os outros filhos não estarem presentes na obra.

Deryn Sharp

Ilustração por Keith Tompson de Deryn Sharp

Deryn Sharp/Aspirante Dylan Sharp

Filha de um balonista que morreu em um terrível acidente, Deryn se disfarça de garoto com a ajuda de seu irmão mais velho, para poder entrar para a aeronáutica e servir ao seu país, adotando assim o nome Dylan.

Apesar das motivações iniciais de Deryn não serem tão pesadas com as de Alek, ela acaba sendo o ponto de virada da maioria das cenas de ação, por ter atitude e pensamento rápido, e isso a faz atrair olhares de muitos oficiais, então ela ganha uma importância muito maior, sendo mandada em algumas missões especiais. Outro ponto interessantíssimo da personagem é que ela é a maior ligação entre Alek e os darwinistas quando ocorre o encontro. Sem contar com a profundidade que ela tem e a vontade que ela tem de não ser como as demais mulheres da época.

O Leviatã

Ilustração por Keith Tompson do Leviatã

O Leviatã

Seria um erro meu não colocar o próprio Leviatã como um dos personagens principais. A gigantesca nave dos darwinistas é a suprema demonstração do poder de manipulação genética da Grã-Bretanha. É com ela que os personagens viajam por vários países e é nela que diversas situações de risco se desenrolam.

O Leviatã é descrito como um ecossistema vivo, dada a grande diversidade de outros animais que vivem na nave. E ela não é só uma baleia voadora, ela cumpre o papel de embarcação mesmo, com pilotos, cientistas, pesquisadores e marujos que vivem dentro dela.

E antes de tudo, o Leviatã também é um ser vivo! O que quer dizer que apresenta medo, curiosidade e momentos de calmaria no decorrer da trama. E isso aproxima muito mais a criatura, não só dos personagens, mas como da realidade, apesar de tudo.

MEKANISTAS VS DARWINISTAS

Como eu já disse, existe nesse universo o steampunk e o biopunk (mekanistas e darwinistas, respectivamente), duas vertentes estéticas da ficção-científica (que são fantásticas, na minha opinião) e caíram muito bem na temática do livro, que é colocar a Europa (e o mundo) dividida em duas partes. Alemanha, Itália* e Império Austro-Húngaro na Tríplice Aliança, e a Rússia, França e Inglaterra, compondo a Tríplice Entente. E também existem os países imparciais no conflito bélico, sem contar com aqueles que ambos os lados tentam conquistar para suas fileiras, como Istambul (talvez você conheça como a antiga Constantinopla).

*A Itália começou o conflito ao lado da Tríplice Aliança, no entanto ela passou um período do conflito NEUTRA e depois, por interesses territoriais passou para o lado da Tríplice Entente.

Mapa da Grande Guerra

Mapa Ilustrado por Keith Thompson da Europa durante do conflito da Grande Guerra na trilogia.

Os mekanistas são os países que vivem das tecnologias mecânicas (surpreendente, não é?), criando equipamentos para facilitar sua vida, como camas com andadores, ou automóveis. Mas, como a temática é a guerra, o foco principal são as grandes máquinas de combate que soltam fumaça e tem várias armas de combate, como o Hércules. Geralmente os mekanistas são mais ligados à religião, justamente por não terem a aproximação com a manipulação genética, chamando as criaturas darwinistas de aberrações.

Os países darwinistas um dia já foram mekanistas, mas os avanços e as descobertas de Charles Darwin mudaram o cenário e diminuíram a poluição nos territórios adeptos do movimento. Claro, os fervorosos religiosos não aprovam essa manipulação genética e também existem aqueles que abominam as bestas criadas em laboratório, esses são chamados de mico-luditas (mico: idiota; ludita: nome dado aos que tem medo de inovações tecnológicas). E como resultado, existem criaturas imponentes como os Tigrescos Lupinos.

Existem também outros países que tentam aproveitar o que ambos os lados tem a oferecer, como os EUA, que usa misturas bizarras de aparatos tecnológicos e alguns animais geneticamente modificados. Existem andadores mecânicos em forma e animais gigantes, sapos que guardam informações e andadores grotescos com câmeras de filmagem.

Cada país alinhado a cada lado tem também suas marcas. A Rússia, por exemplo tem seus grandes Ursos, a Inglaterra tem em suas criações vários animais de origem aquática. Do outro lado, a Alemanha tem seus andadores com várias pernas e Istambul tem seus Sentinelas de metal em formas de Golens colossais.

Infelizmente não existe nenhuma passagem no território brasileiro na série :c . O mais próximo que chegamos é uma breve passagem pelo México no 3ª livro (Golias: A Revelação).

AS FIGURAS HISTÓRICAS

E quem pensou que o Scott Westerfeld iria deixar as figuras históricas dessa época de fora da sua obra se enganou muito! Eu, particularmente, gostei da forma como elas foram aproveitadas. Claro, provavelmente elas não eram (talvez nem um pouco) tão caricatas ou com atitudes tão radicais como as que vemos na ficção, mas desempenham papéis significativos na trama (alguns bem importantes e outros mais como uma passagem).

Dra. Barlow

Ilustração por Keith Tompson da Dra. Barlow e Tazza

Dra. Nora Barlow, também conhecida como Emma Nora Darwin Barlow, a neta de Charles Darwin!

Na vida real, ela foi uma cientista estudante de genética das plantas, pesquisadora na universidade de Cambridge e trabalhou no John Innes Institute, um centro de pesquisas independentes sobre plantas e genética. A planta silvestre Nora Barlow recebeu esse nome em homenagem à ela. Nora Barlow também editou várias obras definitivas dos trabalhos de Charles Darwin!

Na ficção, a Dra. Barlow é uma diplomata muito importante e diretora do zoológico de Londres. Ela viaja abordo do Leviatã em uma missão misteriosa até mesmo para os personagens principais.

Tesla

Ilustração por Keith Tompson de Nikola Tesla

Nikola Tesla foi um cientista brilhante, mas muito subestimado pela maioria das pessoas por estar à frente de seu tempo. Trabalhou nos campos do eletromagnetismo e da eletricidade, criando formas de criar correntes elétricas sem fios e invenções visionárias. No entanto sua personalidade singular fez com que ele ficasse conhecido como louco.

Na ficção, Tesla criou um canhão capaz de atrair raios e gerar campos magnéticos pela face da Terra em uma escala colossal. Ele também fez uma bengala capaz de disparar cargas elétricas de altíssima voltagem. É um dos personagens que mais tem influência na trama.

Algumas outras figuras como Pancho Villa (general da Revolução Mexicana (1910-1920)), Sakichi Toyoda (fundador da empresa Toyota) Kokichi Mikimoto (criador da cultura de pérolas) e os jornalistas William Randolph Hearst e Joseph Pulitzer aparecem ou são citados brevemente.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

No fim de cada livro, o autor mostra as diferenças entre a ficção e a realidade, assim como os pontos que ele gostou de aproveitar (a história da mãe de Alek, por exemplo) e isso deixa o universo bem mais dimensionado, porque as conjecturas das história não são momentâneas, são, na verdade, os vários eventos consecutivos que se acumulam e geram consequências no decorrer do tempo. E, se você tiver conhecimentos históricos, saberá as ambições de cada lado da guerra, mesmo com a tendenciosidade do autor em tentar deixar tudo bem maniqueísta.

Sobre uma ótica diferente, tudo nos mostra que na guerra, os movimentos das pessoas não são únicos. Ao mesmo tempo em que o Leviatã voa para um lugar, existem máquinas alemãs marchando sobre outro e isso altera o rumo dos eventos. Bem como as revoluções podem fracassar e as pessoas escondem informações durante momentos difíceis.

E se as atitudes de Alek e Deryn não acabarem com a guerra, eles pelo menos tem que tentar amenizar o colapso bélico que cresce cada vez mais.

INDICAÇÕES

As artes oficiais dos livros foram feitas por Keith Tompson, um artista incrível! Acho que vale muito apreciar. Se eu fosse resumir em apenas uma palavra as artes desse cara, a palavra seria: VISCERAL (entenda como quiser). As artes dele estão disponíveis em seu site (http://www.keiththompsonart.com).

PS: Procure Pripyat Beast, no site dele, é uma ilustração incrível!

E, é óbvio, a trilogia escrita por Scott Westerfeld; Leviatã, Beemote e Golias* (Leviathan, Behemoth e Goliath em inglês). Os três já foram publicados no Brasil.

*Se você terminou Golias, saiba que existe um capítulo bônus do livro que foi publicado no blog do próprio Scott Westerfeld, e ele é acompanhado de uma arte oficial extra (em inglês apenas, esteja logo avisado). Você pode acessar o link AQUI, ou, se preferir: http://scottwesterfeld.com/blog/2011/12/bonus-goliath-chapter-and-art/ E, é claro, contém spoilers!

Ilustrações por Keith Tompson de Alek e o StormWalker

Ilustrações por Keith Tompson de Alek e o StormWalker

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s